Monday, February 01, 2010

Em gestação


Eu não sou desses pais muderrrnos que se "envolvem". Lêem todos os livros. Sabem todos os sintomas da gravidez. Sabem em que semana o bebê aprende a ouvir por exemplo. Enxergam o filho naquela mancha de ultrassom que parece estática de TV fora do ar.
Não é falta de interesse não, é falta de capacidade mesmo. Sou um sujeito conservador. Sou daqueles que acha que o pai serve para dar cascudo e ir buscar comida fora da caverna. Obviamente nos adaptamos aos tempos modernos, mas instinto paternal é isso aí.
Nosso grande problema é que nessa incapacidade algumas coisas nos escapam.
Por exemplo, ninguém avisa que homens também estão sujeitos a sintomas da gravidez. Minha barriga cresceu. Tive enjôos, principalmente depois de comemorações e festas do fim do ano. Ando meio esquecido e distraído.
Ninguém avisou também que durante a gravidez é como se sua mulher estivesse 9 meses em TPM permanente, com altos e baixos emocionais. Tentando manter o humor dela a níveis de convivência pacíficos, você se transforma em uma espécie de mordomo inglês sempre pronto a atender qualquer desejo dela, de um copo de água a ir a feiras de bebês e gestantes.
Ah, aquele mega pavilhão lotado de produtos para mamãe e o bebê. E você achando que um caixote de papelão e papel toalha resolveriam todos os problemas de um recém nascido. Ledo engano. Subestimamos por exemplo o valor de um protetor de berço, que até então você não sabia que existia. O protetor não só impede que o petiz enfie braços e pernas pelas grades do berço, dando talvez uma falsa impressão de rebelião na cela, como também dá toda a temática da decoração do quarto, que pode virar uma selva, um estacionamento ou até um Pacaembu em dia de final dependendo do fanatismo do pápi. E você pensando que a decoração de pôster do Terminator seria suficiente.
O pior é que qualquer tentativa de resmungar sobre o preço você recebe um olhar misto de piedade da esposa e de desprezo da vendedora, que telepaticamente te comunicam: você não acha que seu filho merece?
Mas prometo melhorar, ler algum dos livros especializados, de preferência o mais fino, ser mais paciente, enfrentar quantas feiras forem preciso porque afinal, tenho a melhor futura família do mundo, e quer queira quer não, qualquer ultrassom borrado, e qualquer chutinho já é uma emoção.

3 comments:

clabrazil said...

Que declaração! Tomara que o Mathias leia isso um dia.
Felicidades!
Cla

Selma said...

amei ! chorei de rir... acho que foi o reconhecimento.... repassei pro pai da Nicole... hahaha lembrei dos olhares que eu mandava pra ele ... beijao !

Lelec said...

Credo, nove meses em TPM permanente!

Parabéns pelo filhão que está vindo e por este texto brilhante (e bem humorado, como sempre) sobre a paternidade moderna.

Abraço